Tanzânia liberta líder da oposição detido Mbowe, diz seu partido

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Via Reuters

A Tanzânia libertou o líder do principal partido de oposição, Freeman Mbowe, depois que os promotores retiraram as acusações de terrorismo contra ele no ano passado, disse seu partido nesta sexta-feira, 4.

O líder do principal partido de oposição da Tanzânia, Freeman Mbowe (ao centro). Foto: Reuters

Mbowe, que é o presidente do partido Chadema, foi detido em julho passado na cidade de Mwanza, à beira do lago, onde ele deveria participar de uma conferência sobre propostas para uma nova constituição.

Leia também: Tanzânia põe fim a proibição de mães adolescentes na escola

Ele foi acusado no tribunal em 26 de julho, apesar dos protestos de seu partido de que as acusações foram politicamente motivadas.

“O diretor de processos retirou as acusações de crimes econômicos e terrorismo”, disse Chadema em seu twitter. Três coacusados também foram libertados, disse o partido.

Os partidários de Mbowe, que se reuniram no tribunal para acompanhar o julgamento, aplaudiram depois que a decisão de retirar as acusações foi anunciada, enquanto seus advogados se abraçavam.

Sua detenção e julgamento levantaram questões sobre o compromisso do presidente Samia Suluhu Hassan com uma maior tolerância à dissidência política.

Hassan, que assumiu após a morte de seu antecessor John Magufuli em março do ano passado, suspendeu a proibição de quatro jornais e se encontrou com o líder da oposição exilado em Bruxelas no mês passado, despertando esperanças de maior tolerância à dissidência política.

Funcionários do governo negam acusações de violações de direitos e sufocam a democracia.

“A destituição de hoje do caso contra Freeman Mbowe é uma oportunidade bem-vinda para a Tanzânia virar a página e se concentrar no futuro”, disse Donald Wright, embaixador dos EUA na Tanzânia.

No ano passado, a Tanzânia autorizou que estudantes grávidas e mães adolescentes a seguir com seus estudos, eliminando assim uma proibição muito criticada, instituída pelo falecido líder autocrático John Magufuli. Em 2017, este país da África Oriental começou a expulsar meninas grávidas de escolas públicas e a proibi-las de voltar às salas de aula após o parto. A decisão foi criticada por defensores dos direitos humanos, que pediram o fim da lei.

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Wellington Andrade

Jornalista formado pela FACHA (Faculdades Integradas Hélio Alonso) e pedagogo pela UERJ. Atualmente escreve para o Portal Notícia Preta e atua no segmento de assessoria de imprensa em parceria com a agência Angel Comunicação. Possui passagens por diferentes veículos como repórter, produtor e apurador, dentre eles TVs Record, SBT e Rede Vida de Televisão, além das rádios Bicuda FM, Nativa FM, Tupi AM e FM, Revista Ziriguidum Nota 10 e no portal especializado em Carnaval SRZD, do jornalista Sidney Rezende. Instagram: @reporterwellingtonandrade

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.