Ícone do site Notícia Preta

Sérgio Moro se filia ao Podemos visando eleiçōes 2022

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Com rejeição tanto dos apoiadores do ex-presidente Lula, quanto dos que simpatizam com o atual chefe do executivo, Jair Bolsonaro, o ex-juíz e ex-ministro Sérgio Moro se filiou, nesta quarta (10), ao Podemos. A legenda atualmente tem nove senadores e 10 deputados federais, e é presidida pela deputada federal Renata Abreu (SP).

Moro se coloca, segundo ele, como uma “terceira alternativa”, para as eleiçōes presidenciais de 2022.

Moro ficou famoso enquanto ainda era juiz da 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba e esteve à frente da Operação Lava Jato, que investigou um esquema de corrupção e desvio de recursos públicos envolvendo a Petrobras.

Após a fama, Moro decidiu deixar a magistratura e aceitar convite de Bolsonaro para comandar o Ministério da Justiça. No ano passado, após algumas desavenças com o atual presidente, o ex-juíz deixou a pasta e acusou Bolsonaro de tentar interferir na Polícia Federal.

Em seu discurso de filiação o ex-ministro do governo Bolsonaro disse ter sido boicotado: “O meu desejo era continuar atuando, como ministro, em favor dos brasileiros. Infelizmente, não pude prosseguir no governo. Quando aceitei o cargo, não o fiz por poder ou prestígio. Eu acreditava em uma missão. Queria combater a corrupção, mas, para isso, eu precisava do apoio do governo e esse apoio me foi negado. Quando vi meu trabalho boicotado e quando foi quebrada a promessa de que o governo combateria a corrupção, sem proteger quem quer que seja, continuar como ministro seria apenas uma farsa. Nunca renunciarei aos meus princípios e ao compromisso com o povo brasileiro. Nenhum cargo vale a sua alma“, declarou Moro que passou 2 anos lado a lado ao atual governo.

Sérgio Moro foi MInistro no Governo Bolsonaro

Leia também: 58% dos brasileiros são contra candidatura de Sérgio Moro à presidência

Em seu discurso, Moro tentou se contrapor à polarização e disse que seu projeto é forte, mas sem agressão. O ex-ministro ainda condenou a agressão a jornalistas e criticou as tentativas de controle da mídia, já citado pelo ex-presidente Lula.

“Nossas únicas armas serão a verdade, a ciência e a justiça. Trataremos a todos com caridade e sem malícia. Respeitaremos aqueles que gostam e aqueles que não gostam de nós. O Brasil é de todos os brasileiros e nosso caminho jamais será o da mentira, das verdades alternativas ou de fomentar divisões ou agressões de brasileiro contra brasileiro”,disse.

Sair da versão mobile