Ícone do site Notícia Preta

Rebeldes M23 atacam posições militares no leste do Congo

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Via Reuters

Intensos combates eclodiram durante a noite no leste da República Democrática do Congo quando combatentes do grupo rebelde M23 atacaram posições do exército perto da fronteira com Uganda e Ruanda, disse uma autoridade local e uma testemunha nesta segunda-feira.

Foto: Reurers

“Confirmo o ataque desde ontem à noite em nossas posições”, disse Muhindo Luanzo, assistente do administrador militar da cidade oriental de Rutshuru.

Leia também: Em meio a pandemia da Covid-19, novo surto de Ebola é registrado na República Democrática do Congo

“(A aldeia de) Runyoni também é sitiada pelo inimigo, mas nossas tropas já estão destacadas para responder e perseguir o inimigo.”

Os confrontos começaram por volta das 01:00 hora local (2300 GMT) perto das aldeias de Tshanzu e Runyoni, cerca de 50 km a nordeste da capital da província, Goma, disse uma testemunha em Runyoni.

“Não sabemos quem controla a área, mas parece que é um ataque sério”, disse a testemunha à Reuters.

“Desta vez foi mais intenso do que todas as vezes anteriores.”

O M23 havia apreendido brevemente essas duas aldeias estratégicas em um ataque semelhante durante a noite em novembro.

Um porta-voz do M23 não pôde ser contatado imediatamente para comentar.

Os combates vêm três dias depois que o grupo, que tomou grandes faixas de território durante uma insurreição em 2012 e 2013, acusou o exército de travar uma guerra contra ele.

Tshanzu e Runyoni foram os últimos redutos da M23 antes de seus caças serem perseguidos pelas forças congolesas e das Nações Unidas em Uganda e Ruanda em 2013.

Desde então, houve esforços regionais para que o grupo se desmobilizasse. Mas seus líderes têm reclamado do ritmo lento da implementação de um acordo de paz.

“Nossa organização, a M23, que tem sido capaz de esperar pacientemente nove anos pela implementação do processo de paz, lamenta essa terrível opção de violência”, disse o porta-voz do M23, Willy Ngoma, em um comunicado na semana passada.

Investigadores da ONU já acusaram Ruanda e Uganda de apoiarem a M23. Os dois países, que intervieram militarmente no Congo durante duas guerras regionais há duas décadas, negam apoiar o grupo.

Sair da versão mobile