‘Quando não consegue se defender, alega que é mulher negra’, diz deputado baiano acusado de racismo

APOIE O NOTÍCIA PRETA

O parlamentar Marcell Moraes agrediu a jornalista em redes sociais e minimizou o debate sobre racismo e gênero

Marcell Moraes é um dos políticos que afirmam defender os animais. Foto: Reprodução

O deputado estadual Marcell Moraes (PSDB), em entrevista para o programa Brasil Urgente (Band-Bahia), na tarde da última sexta-feira (22), minimizou a discussão que teve com a jornalista Silvana Moura, na quinta-feira (21) a acusação de racismo. O parlamentar usou o termo “mimimi” e propôs que mulher negra usa o argumento identitário de gênero e raça quando não “consegue se defender”.

“Esse mimimi. Quando é mulher negra e não consegue se defender no debate, não consegue se defender porque [não] tem razão, alega que é mulher negra. Esse movimento negro…Isso é oportunismo porque sabe que ela está errada”, afirmou Marcell Moraes.

Tudo começou durante o programa da Rádio Sociedade, Conexão Sociedade, comandado por Silvana Oliveira que entrevistava o chefe da Diretoria de Defesa Animal da Prefeitura de Salvador, Gustavo Moraes. Em um momento da entrevista foi citado o nome da vereadora Marcelle Moraes, e a apresentadora informou ao entrevistado que vários internautas elogiavam o trabalho desenvolvido por ele, e demonstravam apoio ao deputado Marcell e foi perguntado se o entrevistado tinha ligação de parentesco ou possuíam ligação política com os irmão Marcell e Marcelle Moraes.

Enquanto Gustavo Moraes respondia a pergunta, a jornalista Silvana foi surpreendida por postagens do deputado estadual Marcell Moraes na live da emissora onde o mesmo pedia para ser convidado e agredia verbalmente a jornalista. “Jornalista ligada a [vereadora] Ana Rita. Me convide, bostética para eu te mostrar o que já fiz”, digitou o deputado em uma das postagens. O mesmo ainda foi à Rádio Sociedade da Bahia solicitar direito de resposta e questionou que teve 5 minutos para falar, alegando que foi criticado por 15 minutos.

O vídeo publicado em uma rede social mostra Marcell Moraes visivelmente exaltado.

Em nota, a Direção da Radio Sociedade esclarece que “a tradicional emissora preza pelo compromisso com a verdade no seu fazer jornalístico e com os valores democráticos inerentes à liberdade de imprensa. E destaca que o que se espera de um parlamentar é a representação do povo dentro dos limites da lei, não às margens da Justiça e da legalidade. Agressões do Deputado Marcell Morais não calarão a Rádio Sociedade da Bahia. Ninguém cala a Rádio Sociedade da Bahia. O maior destinatário desta garantia é o nosso ouvinte.

A Rádio Sociedade também aproveitou a nota para questionar a postura do político. “Entendemos que o Marcell Moraes extrapolou todo o limite ético ao usar as mídias sociais e o próprio microfone da emissora para atacar uma profissional de jornalismo só porque uma entrevista ou reportagem não lhe agradou. Silvana Oliveira é uma experiente jornalista, que atua nesta emissora como Gerente de Jornalismo e apresentadora. Traz na sua bagagem um histórico vasto de contribuição em várias emissoras nos estados da Bahia e São Paulo”, diz a nota.

O Coletivo de Entidades Negras (CEN) também emitiu uma nota de repúdio a atitude, que considerou, racista e sexista por parte do deputado Marcell Moraes e pede abertura de processo na Assembleia Legislativa da Bahia (Alba) por falta de decoro parlamentar

“O CEN, instituição nacional do movimento negro brasileiro, presente em 15 Estados e fundada em Salvador, na Bahia, vem a público repudiar as atitudes racistas e sexistas do deputado estadual Marcell Moraes (PSDB) contra a jornalista Silvana Oliveira, em fato ocorrido durante entrevista na Rádio Sociedade e cujos registros circulam nas redes sociais. O tom violento com o qual o parlamentar baiano refere-se à profissional de imprensa expõe o grau elevado de machismo com o qual comporta-se e soma-se a episódios de racismo já cometidos por ele na vida política. Não bastasse a agressividade desproporcional, Marcell Moraes, que afirma nas imagens ter sido “desafiado” pela jornalista, ainda posou em fotos tiradas dentro do estúdio da rádio com um macaco no ombro, utilizando-se das subjetividades do chamado “racismo à brasileira” para cometer crime de discriminação contra a população negra – pois é disso, crime contra todo um povo, que trata-se casos como esse”, diz trecho da nota do CEN.

Marcell Moraes possui histórico de denuncias de agressão

Não é a primeira vez que o deputado estadual em exercício, Marcell Moraes, tem o nome envolvido em notícias de racismo e agressões. Em 2013, quando era vereador de Salvador, Marcell criticou e tentou impedir rituais das religiões afro-brasileiras, alegando que a sacralização de animais para fins religiosos tratava-se de maus tratos. O político foi acusado de racismo religioso por entidades negras e população que cultuam religiões de matriz afro-brasileira.

Já em 2017, quando Marcell era deputado estadual pelo Partido Verde (PV), houve uma acusação de agressão contra uma servidora da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano (Sedur).  A confusão teve início após ficais da Sedur tentarem retirar uma faixa comemorativa e a plotagem de um minitrio do PV, que não estariam licenciados pelo órgão de fiscalização. A servidora prestou queixa, mas o deputado negou a agressão.

Já em outubro de 2019, um caso digno de ser comentado por Cristina Rocha no Programa Casos de Família, SBT, chamou atenção dos baianos. Marcell Moraes foi acusado pelo primo, Lucas Carvalho de agressão e suposta tentativa de homicídio. O primo, que também era assessor parlamentar, afirma que o crime teria ocorrido por conta da suspeita de que teria um caso com a mulher com quem Marcell teria uma relação extraconjugal.

“Eu perguntei para ele que loucura é essa. Ele pegou [nome da moça será preservado], que estava no quarto, puxando pelos cabelos, e perguntou: ‘Você ficou ou não ficou?’. Ela, aos prantos, ele tinha cortado o cabelo dela, ela gritava aos prantos: ‘ficou, ficou’. Eu falei: ‘nunca fiquei, que loucura é essa Vanessa?’. Ele olhou pra mim e disse: ‘agora você vai morrer, eu vou te matar.'”, revelou o assessor em entrevista para jornais locais.

Logo após a agressão Lucas Carvalho entrou ao vivo em uma programa local de rádio para comunicar a agressão. “Acabei de ser espancado dentro do apartamento dele onde ele vive com a amante. Sou primo carnal dele, sou lotado no gabinete dele. Fui espancado dentro do apartamento por outros assessores”, afirmou. O deputado estadual Marcell Moraes contou outra versão, afirmando que estava em defesa da moça que supostamente Lucas Carvalho, seu primo, estaria agredindo.

Em 2018, Marcell Moraes foi acusado de difamar um hotel com publicações sobre a qualidade dos serviços prestados. De acordo com denúncia do Hotel do Grande Rio, em Juazeiro, o parlamentar fez duras acusações ao local, que não aceitava animais nos quartos, mas se propôs em conseguir uma instalação adequada e não rejeitou a hospedagem do cachorro que o deputado tinha em sua companhia. Marcell não aceitou e fez diversas postagens que os proprietários do estabelecimento consideraram difamatória, assim ingressam na justiça.

APOIO-SITE-PICPAY

Thais Bernardes

Formada em jornalismo pelo Institut français de Presse-Université Panthéon-Assas, em Paris e com especialização em audiovisual pelo Institut Pratique de Journalisme (IPJ), também na França, Thais Bernardes é jornalista, assessora de imprensa e idealizadora do portal Notícia Preta, um site de jornalismo colaborativo. Antes de concluir seus estudos na Europa, Thais cursou Relações Públicas na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), onde ingressou através do sistema de cotas. Após atuar como produtora no canal de TV France 2, em Paris, foi repórter no Jornal Extra, na rádio BandNewsFM e coordenadora de Comunicação da Secretaria de Estado de Direitos Humanos do Rio. Em novembro de 2018 a jornalista decidiu criar o portal Notícia Preta como forma de combater, através do jornalismo, o racismo e as desigualdades sociais.

1 Comment

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.