Ícone do site Notícia Preta

O retorno da Pioneira

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Por Lyz Ramos

A Etiópia foi um dos países a fundar a Confederação Africana de Futebol (CAF) e participar das primeiras edições da Copa Africana de Nações (CAN). Foi campeã pela primeira e única vez na terceira edição, em 1962, mas viu seu futebol regredir nos anos seguintes e não alcançar mais a classificação para o maior torneio de África a partir de 1982.

A Etiópia é um dos fundadores da Confederação Africana de Futebol – Foto: Reprodução

Mais uma etapa da defasagem do futebol etíope se deu em 2010, com a suspensão da CAN. Após a deposição súbita do então presidente da Federação Etíope de Futebol (EFF, na sigla em inglês), Ashebir Woldegiorgis, e eleição do sucessor, a FIFA não reconheceu a legitimidade do processo e exigiu que etapas fossem cumpridas para que a situação da organização fosse normalizada. A EFF, por sua vez, ignorou os lembretes e foi penalizada com a impossibilidade de participar da CAN, Copa CECAFA e Copa do Mundo, que seria realizada na África do Sul.

Em 2013, com os novos líderes eleitos e o reconhecimento da FIFA e da CAF, a Etiópia voltou a participar das eliminatórias. Na primeira fase, contra o Benin, depois da ida com placar zerado, na visita ao Estádio da Amizade, Girma empatou para a Seleção Etíope aos 44 do 1º tempo em 1 a 1. O benefício do gol fora de casa levou a Etiópia para a segunda e última fase da qualificatória, um passo mais próximo da velha conhecida Copa Africana.

Leia também: O presidente “ditador” de regras na CAN

Contra o Sudão, a disputa foi tão acirrada quanto a rodada anterior. No jogo de ida, no país vizinho, o sudanês Mudather Karika inaugurou a chuva de gols aos 7 minutos. Os etíopes reagiram, mas a defesa falha, somada ao pênalti cometido no último minuto do tempo regulamentar garantiram a vantagem de 5 a 3 a favor do adversário.

Mas nem tudo estava perdido. Na volta, em casa, mesmo com a primeira etapa sem gols, o time esteve mais concentrado e contou com o regulamento a seu favor. Bastou um intervalo de três minutos para a sorte mudar de lado. Aos 16 minutos, Adane deu início à nova história da equipe e fez 1 a 0. Logo em seguida, Saladin marcou o gol da classificação. No agregado ficou 5 a 5 e as três metas cumpridas fora de casa contaram como critério de desempate.

Enfim, a pioneira voltou para a CAN após 31 anos.

Apesar da eliminação no torneio ainda na fase de grupos, o resultado aguardado por mais de três décadas é o que marca a história recente da Seleção Etíope.

Sair da versão mobile