Ícone do site Notícia Preta

Em combate ao racismo na infância, crianças negras são fotografadas para fotolivro

APOIE O NOTÍCIA PRETA
Jefferson Luan da Silva Santos, de 5 anos, há 3 anos no projeto – Foto: Andréa Leal

A ONG Instituto Luz Natural, de Pernambuco, faz uma homenagem às crianças negras e lança o fotolivro “Por uma infância sem racismo”. Com 62 páginas, o fotolivro conta com 12 crianças que integram o Centro de Educação e Cultura Daruê Malungo, espaço onde as crianças participam de oficinas de cidadania e manifestações culturais locais.

Lançado há quatro anos pela fotógrafa Andréa Leal, o projeto Toda Criança é Especial, nesse ano de 2020, alerta para os impactos do racismo na vida das crianças. O estímulo para a escolha desse tema veio após a campanha Por uma Infância sem Racismo ser lançada pela Unicef. Segundo a fotógrafa Andréa Leal, por fazerem parte do Daruê Malungo, as crianças já foram trabalhadas com a questão da autoestima. 

Além do fotolivro, as fotos das crianças podem ser vistas até o dia 31 de outubro em uma mostra itinerante nos ônibus que circulam pela região metropolitana de Recife. Para quem prefere o virtual, as fotos também estão disponíveis na página Toda Criança é Especial. “A minha vontade é que o livro estivesse em escolas. Queria conseguir atingir muitas pessoas, de forma com que elas percebam que agem de forma errada. Se a gente aproximar mais isso da vida das pessoas, podemos diminuir um pouco esse problema. ” diz a fotógrafa ao Diário de Pernambuco.  

Valber de Souza Santos, pai de Jefferson, uma das crianças fotografadas pelo projeto, conta que a discriminação já aconteceu com seu filho. “Ele repara quando a pessoa olha diferente pra ele. Quando ele está sendo rejeitado, quando a pessoa age com indiferença, ele não se comunica com essa pessoa mais. Se a pessoa falar, ele só responde. Eu quero saber nesse mundo quem nunca sofreu nenhum tipo de preconceito. Se não sofreu, um dia pode ou vai acontecer”. Comenta em depoimento ao site Toda Criança é Especial. 

Justiça para Miguel

Ainda segundo a fotógrafa, as fotos são também uma homenagem ao menino Miguel Otávio, que morreu no Recife, após cair do 9ª andar de um prédio de luxo, onde a mãe trabalhava. “A tragédia mostrou os rumos da discriminação racial na vida das crianças”, afirmou.

Para ter acesso a todas as fotos e aos textos publicados, acesse o link da edição 2020 do Toda Criança é Especial.

Sair da versão mobile