Ícone do site Notícia Preta

Ednaldo Rodrigues é o primeiro presidente negro e nordestino eleito na CBF 

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Nascido em Vitória da Conquista, o baiano Ednaldo Rodrigues é o primeiro presidente negro e nordestino eleito em 107 anos de história da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Ele estará à frente da entidade por um período de quatro anos, até 23 de março de 2026. O ex-mandatário da Federação Baiana desabafou sobre o preconceito que sofreu durante muitas décadas. “Eu sou nordestino com muito orgulho, nascido na Bahia, em Vitória da Conquista, onde comecei toda minha trajetória profissional e desportiva. Tenho orgulho de ser nascido no Nordeste, tenho orgulho de ser negro. Sofri muito preconceito por conta disso. Mas minha vida foi sempre lutando contra essas diferenças e sempre respondendo com trabalho e com dignidade acima de tudo.” 

Ednaldo Rodrigues é o primeiro presidente negro e nordestino da CBF. Foto: Divulgação CBF

Ednaldo foi eleito para o cargo com 65 dos 67 votos válidos. Ele recebeu 26 votos das federações, 20 dos clubes da Série A e 19 dos clubes da Série B. A federação alagoana e a Ponte Preta foram os únicos que não votaram. Eleito, ele prometeu mudanças na CBF a partir de agora. “Não vamos sair numa caça às bruxas, mas vamos melhorar o futebol brasileiro”, comentou.  

Leia também: Após denúncias de racismo em partida, CBF encaminha caso a Justiça Desportiva, mas Flamengo contesta 

Entre as mudanças, prometeu não se opor à criação de uma liga de clubes e a venda de um helicóptero que está em nome da entidade e que é visto como regalia. Ednaldo tem uma longa história com o futebol. Jogou por times amadores de sua cidade natal, destacando-se por seus dribles rápidos que deixavam os adversários sem reação.  

Ele também é graduado em contabilidade e ingressou na vida de dirigente esportivo ao comandar associação de ligas municipais da Bahia. Depois, aceitou convite para ser diretor da federação baiana, onde em pouco tempo se tornaria vice-presidente. Na sequência, chegou ao posto máximo da entidade nordestina, no qual ficou por 18 anos. 

Sair da versão mobile