Ícone do site Notícia Preta

Caravana para Templo de Salomão era usada para desviar dinheiro da Universal em Angola, diz escritor

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Fonte: RFI

Desde novembro, quatro líderes da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) em Angola são julgados acusados de lavagem de dinheiro e associação criminosa. O processo começou com uma rebelião de bispos e pastores angolanos que, em 2019, denunciaram a direção. A IURD diz ser vítima de um golpe e nega os crimes. O escritor Gilberto Nascimento, que segue o caso, conta que, segundo os bispos, caravanas para Israel e para o Brasil eram usadas para retirar dinheiro ilegalmente do país. 

Autor do livro “O reino: A história de Edir Macedo e uma radiografia da Igreja Universal”, o jornalista Gilberto Nascimento acompanha há anos o caso e ouviu os bispos e pastores angolanos que prestaram depoimento à Justima sobre a atuação da igreja brasileira em Angola.

Os religiosas revelaram em detalhes a forma como o dinheiro arrecadado pela Igreja Universal era enviado para o exterior de forma ilícita.

As denúncias foram feitas por um grupo de mais de 300 pastores e bispos que formam a chamada “Reforma”, que é a parte da igreja que rompeu com o comando brasileiro da IURD.

Igreja Universal do Reino de Deus iniciou suas operações em Angola em 1992 e tem mais de 300 templos no país Foto: IURD

LEIA TAMBÉM: Após bispos da Igreja Universal em Angola de serem acusados de racismo e lavagem de dinheiro, governo angolano analisa situação da IURD no país

“Segundo esses membros, quase a totalidade do dinheiro arrecadado acabava saindo de maneira ilegal do país. Uma das maneiras era por carros, via estradas da Namíbia até a África do Sul. Esse dinheiro seria levado em malas, no forro dos carros, nas portas, e até nos pneus”, conta o jornalista.

“Outra forma de evasão seria a organização de caravanas, de peregrinações de fiéis para o Templo de Salomão no Brasil ou para Israel e ainda para outros países da África, como a África do Sul e Moçambique. Eram grupos de 100, 200 e até 300 pessoas, principalmente pastores e suas esposas, e também obreiros e fiéis da igreja. Cada uma dessas pessoas costumava levar entre US$ 10 mil (R$ 57 mil) e US$ 15 mil (R$ 86 mil)”, explica.

Este sistema movimentava a cada três meses cerca de US$ 30 milhões, segundo a denúncia, o que totalizaria US$ 120 milhões (mais de R$ 600 milhões). “E muitos desses recursos ajudaram até a manter a TV Record Internacional; outros recursos eram investidos em outros países onde a igreja procurava crescer”, diz o autor.

Sair da versão mobile