Ícone do site Notícia Preta

Etiópia pressiona para bloquear financiamento da ONU para inquérito de abuso

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Via Reuters

Um comitê de orçamento da Assembleia Geral das Nações Unidas deve votar na quinta-feira uma pressão da Etiópia para bloquear o financiamento para uma investigação independente sobre abusos no conflito do país, disseram diplomatas.

Os mineiros rezam a oração asr na mina de sal Afdera nos arredores da cidade de Afdera, região de Afar, Etiópia, 23 de fevereiro de 2022. REUTERS/Tiksa Negeri

O Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra instaurou o inquérito em dezembro para coletar evidências e identificar os responsáveis por abusos com vistas a futuras acusações. A Etiópia prometeu não cooperar, descrevendo a medida – empurrada pelos Estados ocidentais – como “politicamente motivada”.

Leia também: ONU anuncia investigação internacional sobre abusos durante conflito na Etiópia

A Assembleia Geral das Nações Unidas, com 193 membros, em Nova York, tem que aprovar o financiamento para a investigação por um painel de três membros de especialistas. A votação marcada para quinta-feira é sobre uma resolução redigida pela Etiópia para negar financiamento.

A Human Rights Watch instou os Estados-membros da ONU a rejeitarem o movimento etíope.

“Os governos preocupados com as muitas vítimas de atrocidades e outros crimes na Etiópia devem colocar a comissão em funcionamento, totalmente financiada, o mais rápido possível”, disse Louis Charbonneau, diretor da Human Rights Watch na ONU, e Lucy McKernan, diretora adjunta da Human Rights Watch em Genebra.

A guerra eclodiu há 16 meses entre as tropas federais da Etiópia e forças leais à Frente de Libertação Popular de Tigray (TPLF), que controla a região de Tigray. Os combates se espalharam no ano passado de Tigray para as regiões vizinhas de Amhara e Afar antes que as forças rebeldes do Tigray fossem empurradas para trás.

Em novembro, uma investigação conjunta da Comissão de Direitos Humanos da Etiópia e do escritório de direitos das Nações Unidas descobriu que todos os lados do conflito de Tigray haviam cometido violações que podem equivaler a crimes de guerra. 

A embaixadora da Etiópia na ONU, Taye Atske Selassie Amde, disse à Reuters na quarta-feira que a medida do Conselho de Direitos Humanos para estabelecer o novo inquérito “prejudicou completamente” os esforços conjuntos de investigação.

“O Conselho de Direitos Humanos é usado indevidamente para avançar uma agenda política tendenciosa de outros que acreditam que as organizações nacionais africanas de direitos humanos não são capazes de investigar violações de direitos humanos e fazer violadores de responsabilização”, disse ele.

Sair da versão mobile