Ícone do site Notícia Preta

Comediante Bruna Braga conquista espaço no humor com narrativas próprias e falando sobre racismo

Bruna Braga é componente do grupo Coisa de Preto

APOIE O NOTÍCIA PRETA
Comediante Bruna Braga

No Brasil, ainda há pouco espaço de representatividade feminina no humor e, principalmente, de mulheres negras, Bruna Braga faz parte de uma geração que está revolucionando o humor e deixando de lado piadas fúteis e depreciativas, tratando de questões raciais e sociais, que possuem discussão necessária e com o objetivo de trazer reflexão ao público.

Aos 25 anos, nascida em São Paulo, Bruna Braga é componente do grupo Coisa de Preto, o primeiro grupo de Stand Up Comedy Black do país. Trazendo para o palco as suas próprias narrativas, a comediante a, mostra por meio do humor as suas histórias sobre vida pessoal, transtornos psicológicos, distúrbio alimentar, relações frustradas sua relação com a própria imagem e empoderamento, com objetivo de gerar identificação das outras mulheres.

“Eu tento desconstruir a imagem de “fada sensata” para mostrar que sou real, porque sou mesmo! Acho que o mundo já está cheio de gente fingindo ser o que não é. A graça  está em quem se veste de si e grita pro mundo. Só evoluímos quando nos assumimos”, conta.

Bruna Braga é componente do grupo Coisa de Preto, o primeiro grupo de Stand Up Comedy Black do país

 As mulheres estão cada vez mais ocupando diversos espaços, com dois anos de palco, a humorista que está confirmada na próxima temporada do Comedy Stand Up No Comedy no Comedy Central, que estreia no início do próximo semestre e do Comediantes Resolvem os Problemas do Mundo, com estreia prevista para julho, também do Comedy Central, onde comediantes resolvem problemas com soluções absurdas e engraçadas. Sendo a terceira mulher negra a fazer Stand Up no Comedy Central no país, luta por espaço e reconhecimento do seu trabalho. 

“Estamos num processo de cura e não estamos sozinhas. Vai ter uma e cada vez mais, muitas de nós em todos os espaços. E a gente vai poder cada vez mais se culpar menos e rir mais, SEMPRE“, comenta.

Sair da versão mobile