Ícone do site Notícia Preta

‘76% dos brasileiros tiveram situação financeira afetada por inflação”, afirma pesquisa CNI  

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Pesquisa da CNI (Confederação Nacional da Indústria) revelou que 76% dos brasileiros tiveram sua situação financeira “muito afetada” ou “afetada” pela inflação. Os dados fazem parte da pesquisa “Comportamento & Economia no Pós-Pandemia”, encomendada pela instituição ao Instituto FSB Pesquisa. No estudo, foram ouvidas 2.015 pessoas com mais de 16 anos, entre 1º e 5 de abril, em todas as regiões do país. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. 

Dinheiro, Real Moeda brasileira

No levantamento, 54% dos brasileiros afirmam que sua situação financeira foi “muito afetada” pela pandemia. Este percentual é maior que os 45% verificados em novembro do ano passado, quando a mesma pesquisa foi feita. Apenas 12% da população diz que foi “pouco afetada” ou “não foi afetada” pela alta de preços no Brasil.  

Leia também: Inflação de março é a maior do mês em 28 anos

De acordo com a CNI, 87% dos brasileiros acreditam que o preço das mercadorias “aumentou muito” nos últimos seis meses. Outros 8% acham que “aumentou um pouco” e 4% que “ficou igual”. Apenas 1% diz que o preço das mercadorias “diminuiu um pouco”. A pesquisa mostra ainda que, nos últimos seis meses, 64% dos brasileiros reduziram seus gastos.  

A guerra entre Rússia e Ucrânia, que tem elevado os preços de commodities como petróleo, soja e milho nos mercados internacionais, tem afetado a inflação na opinião do presidente da CNI, Robson Braga de Andrade. “A guerra travada na Ucrânia trouxe mais incertezas para a economia global, o que impulsiona a inflação e desperta o temor de retrocesso da economia em todo o mundo. Diante dessa conjuntura tão difícil quanto indesejada, o Brasil precisa adotar as medidas corretas para incentivar o crescimento econômico, a geração de empregos e o aumento da renda da população. A principal delas é a reforma tributária. Não temos como fugir disso.”, disse ele em entrevista ao portal UOL. 

Sair da versão mobile