“Ela é uma assassina, irresponsável e racista”: Mãe de Miguel vai recorrer de sentença contra de Sari Corte-Real

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Mirtes Renata Souza, mãe do menino Miguel, vai recorrer à justiça contra a sentença atribuída à ex-patroa, Sari Corte-Real, devido a morte do seu filho, em junho de 2020. A condenação na última quarta-feira (01) foi do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), pelo juiz José Renato Bizerra. A sentença condenou Sari a oito anos e seis meses de prisão em regime fechado, mas pelo artigo 387, do Código de Processo Penal, Sari tem o direito de recorrer em liberdade. 

Mirtes lamenta que a pena tenha sido de 8 anos – Foto: Day Santos

Para Mirtes, existem elementos necessários para condenação máxima, de 12 anos de prisão, e não possuem atenuantes para o crime. “Ela é uma assassina, irresponsável e racista. Para essas pessoas, crianças pretas são mais espertas, sabem se virar, não precisam de cuidados. Foi claramente dessa forma que ela agiu com o Miguel. Tanto que no processo ela disse que falou para ele: ‘Vai que depois sua mãe te encontrar'”, disse a mãe da criança em entrevista ao jornal O Globo. 

Miguel Souza, 5 anos, morreu em junho de 2020 devido a uma queda de 35 metros do edifício em que Mirtes trabalhava, na casa da ex-primeira dama de Tamandaré. A empregada do lar foi levar o cachorro para passear e seu filho ficou no apartamento com a ex-patroa, a criança pediu para ir ficar com a mãe, que estava no primeiro andar, foi quando Sari colocou o menino no elevador. Ele entrou no elevador, saiu no quinto andar, foi parar na casa de máquina e subiu na grade, momento em que caiu.

Leia também: Caso Miguel: Sari Corte-Real é condenada a 8 anos e seis meses de prisão

Segundo Mirtes Renata, tudo está sendo muito difícil e deseja que a ré tenha pena máxima pelo crime cometido. Ela também falou sobre a falha na justiça brasileira, em que as leis são mal aplicadas. “Está tudo sendo muito duro, a luta é muito difícil, é pesada. Eu quero que ela receba pena máxima. Tem um monte de gente que cometeu crime e que vai para a cadeia, mas alguns conseguem ter privilégios que outros não têm. Infelizmente, as leis são boas, mas são mal aplicadas”, finaliza Mirtes.

APOIO-SITE-PICPAY

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.