Algoritmos discriminam a população negra

APOIE O NOTÍCIA PRETA

O estudante de doutorado Tarcízio Silva, da Universidade Federal do Grande ABC, tem desenvolvido uma tese chamada “Dados, Algoritmos e Racialização em Plataformas Digitais”. Nesse estudo, o pesquisador desenvolveu um novo conceito chamado de “racismo algorítmico”.

O estudo de Tarcízio parte da análise de aplicações como o FaceApp, que se popularizou no Facebook e Instagram. Se tratam de opções de embelezamento do rosto dos usuários que quando aplicados acabam embranquecendo a face de pessoas pardas e pretas.

Foto: Tarcízio Silva / Reprododução: Arquivo Pessoal


De acordo com Silva, é necessário frisar que o problema não é um algoritmo ou outro tomado de forma isolada, mas “como sociedades racistas constroem consequentemente tecnologias com potenciais ou aplicações discriminatórias”.

Há um tempo atrás, essa questão de algoritmos com potencial discriminativo e tendem ao racismo puderam ser evidenciados por meio do mecanismo de buscas no Google imagens, onde ao pesquisar “tranças feias” apareciam as tranças afro e, quando se pesquisa “tranças bonitas”, foi possível visualizar imagens, majoritariamente, de mulheres brancas (loiras). O mesmo ocorre quando se pesquisa “cabelos feios” e “cabelos bonitos”.

image.png


Além da pesquisa que vem sendo desenvolvida por Tarcízio Silva, podemos acrescentar a pesquisa publicada pela pesquisadora Safiya U. Noble publicou oficialmente em fevereiro de 2018 o livro “Algorithms of Oppression: how search engines reinforces racism” (Algoritmos da Opressão: como mecanismos de busca reforçam o racismo). Foi uma pesquisa realizada durante sete anos que investiga situações de injustiça e preconceito criadas por algoritmos.

Em síntese, a autora traz as colaborações da pesquisa sobre exclusão digital para detalhar como aspectos econômicos, educacionais, culturais são materializados em três pontos principais de desigualdade quanto a tecnologia: acesso a computadores e softwares; desenvolvimento de habilidades e treinamento e conectividade à Internet, como banda larga.

APOIO-SITE-PICPAY

Maysa Lima

Sul mato-grossense, graduada em Ciências Sociais. Em busca de um mestrado que modifique ainda mais o meu modo de pensar e agir. Estudante do cenário religioso e político – principalmente ao que tange as Redes Sociais. Sonhadora e amante do universo.

1 Comment

  • […] Recentemente, a plataforma também se envolveu em outro caso de discriminação através do algoritm… Na época e através de uma nota para Tarcízio Silva, um pesquisador que desenvolve uma tese chamada ”Dados Algoritmos e Racialização em Plataformas Digitais”, o Google reconheceu que precisa continuar trabalhando para melhorar os resultados de busca de imagens. E ressaltou que os sistemas apenas encontram e organizam informações disponíveis na web, eventualmente, a busca pode espelhar estereótipos existentes na internet e no mundo real. […]

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.